11 thoughts on “Basquash! [BD720p] 02

  1. Belo episódio.
    Basquash possui um design mecha arrojado, utiliza-se o modelo Real Robot, que para mim, é um dos melhores.
    O que pensas, Mustangbolt?

  2. Terminei um anime chamado vividred operation, mustangbolt.
    Gostei um bocado do género. São daqueles animes em que há uma equipa de heroínas uniformizadas, que utilizam um objecto que lhes dão um determinado poder ou algum sistema/equipamento moderno/futurista que também poderão fornecer-lhes algum poder.
    Animes deste tipo podem ser sailor moon, Senki Zesshou Symphogear, de fato, eu não conheço muitos deste género, todavia gostei mesmo de vividred operation, principalmente as cenas de batalhas, e é claro, todo o futurismo que envolve o anime.
    quem sabe um dia mustangbolt chego aos 55 animes assistidos 😉

  3. Também já vi vividred operation, até gostei, mas não gosto muito de animes em que o personagem principal é do sexo feminino.
    Algum dia chegarás ao 55 animes assistidos com certeza, agora se fossemos falar em episódios vistos, já vi mais de 5000 e isto no mínimo.

    • Fiquei surpreso por já ter visto vividred operation. Realmente, mais de 5000 episódios são muitos mesmo 😉
      mas, considera-te um otaku mustangbolt?

        • Também eu.
          Ouvi dizer que em japão otaku não soa bem, parece-se ser algo ofensivo, todavia é diferente cá no ocidente.

  4. Uma pessoa que já viu 5000 episódios e que tem uma fansub dizer que não é otaku é um pouco estranho. XD
    Um otaku é um fã de anime, de manga e variantes. Qualquer tipo que acompanhe fansubs tugas é otaku de certeza, pk alguém que só veja Naruto ou Bleach saca dum site foleiro qualquer e em brasileiro. Quem anda por aqui gosta de qualidade e mistura-se com a comunidade. Se isso não é ser otaku, então não sei o que é. ~~

    • Eu só disse que depende da definição que cada um tiver de otaku, que há muitas e variadas, e o Japão é um exemplo disso. Mas é claro que se formos pelo lado de só ver animes, aí sim considero-me otaku, e por essa perspectiva somos todos otakus…

Deixar uma resposta